quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Cálculo da Taxa de Inflação

1. Explicita os seguintes conceitos associados à taxa de inflação:
a) IPC; 
Serve para comparar os valores anuais
b) Taxa de variação mensal;A taxa de variação mensal é  a comparação do IPC de um mês com o outro por exemplo o IPC de Janeiro com o de Março  
c) Taxa de variação homóloga;
A taxa de variação homologa é a comparação entre meses correspondentes de anos diferentes por exemplo Fevereiro de 2016 e Fevereiro de 2017
d) Taxa de variação média.
A taxa de variação média é a média do índice nos últimos 12 meses do ano em relação à média dos 12 meses anteriores.
2. Indica - consultando o site do INE - os valores da taxa de variação homóloga, em Dezembro de 2017, no Continente, para as seguintes rubricas:
a) Total excepto habitação
1,48%
b) Total excepto produtos alimentares não transformados e produtos energéticos
1,16%
c) Total excepto produtos alimentares não transformados
1,35%
d) Total excepto produtos energéticos
1,29%
e) Produtos alimentares não transformados
2,26%
f) Produtos energéticos 
3,18%

3. Indica em que grupo do ponto anterior:
a) Os preços subiram mais;
Produtos energéticos
b) Os preços subiram menos;
Total exceto produtos alimentares não transformados e produtos energéticos
c) Os preços desceram mais;
Não há nenhum grupo com preços descendentes
d) Os preços desceram menos.
Não há nenhum grupo com preços descendentes

4. O Índice de Preços pode calcular-se com base constante, isto é, sempre com o mesmo ano base (2011=100 significa que 2011 é o ano base), ou com base móvel. O IPC em cadeia calcula-se tomando como base de cálculo em cada ano t, o ano anterior, t-1.
4.1. Completa a tabela no ficheiro de ajuda com Taxa de Inflação de 2003 a 2017.
4.2. Indica em que ano:
a) Os preços estavam mais baixos; 
2003
b) Os preços estavam mais altos;
2017
c) Os preços subiram mais;
2011
d) Os preços subiram menos;
2013
e) Os preços desceram mais;
2009
f) Os preços desceram menos.
2014

4.3. Explicita o conceito de taxa de inflação implícito neste exercício.
A taxa de inflação é a media do crescimento dos preços do ano t em relação ao ano t-1 ou seja o ano anterior. É o cálculo efetuado para controlar o crescimento dos preços.

4.4. Interpreta para 2017:
a) O Valor do Cabaz;
Com 1580,820 € em 2017 podemos comprar a mesma quantidade de bens que em 2011 comprávamos com 1500€
b) O Índice de Preços no Consumidor com 2011=100;
Com 105,388€ em 2017 podemos comprar a mesma quantidade de bens que em 2011 comprávamos com 100€
c) O Índice de Preços no Consumidor em cadeia; 
Com 101,4€ em 2017 podemos comprar a mesma quantidade de bens que em 2016 comprávamos com 100,6€
d) A Taxa de Inflação.
Em 2017 os preços subiram 1,4% a mais que em 2011

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Preço de um bem - noção e componentes

1. Explica o paradoxo da água e do diamante utilizando os conceitos de valor de uso e valor de troca.
A água é um bem com um valor uso elevado, ou seja é muito útil no dia a dia para as pessoas, mas quanto ao seu valor de troca, a água tem um valor de troca muito baixo, pois é um bem que não pode pagar quase nenhum bem. Em relação ao diamante, é um bem com um valor de uso muito baixo, pois na maioria dos casos o diamante serve só como bem luxuoso, mas em relação ao seu valor de troca, o diamante tem um valor de troca muito elevado pois é um bem que se pode trocar por uma grande quantidade de bens.

2. Explica o paradoxo da água e do diamante utilizando os conceitos de utilidade total e utilidade marginal.
A água é um bem que tem uma utilidade total muito elevada, pois é um bem que é necessário para as pessoas viverem, já o diamante tem uma utilidade total baixa pois não é necessário para uma pessoa viver. No entanto a utilidade marginal de um diamante é muito maior que a utilidade marginal da água, pois o valor de um diamante é mais elevado que o valor da água, mas a utilidade da água é maior que a do diamante.

3. Refere três factores que influenciam a formação dos preços.
Três fatores são: o custo de produção do bem, o número de vendedores e compradores ( ou seja o mercado ) e o seu valor de troca.

4. Comenta a importância da estrutura do mercado na formação dos preços, referindo dois exemplos de mercado concorrencial e dois exemplos de monopólio.
No mercado concorrencial os como temos muitos produtores e muitos consumidores nenhum deles tem poder no mercado logo são aceitantes do preço estabelecido no mercado. O monopólio caracteriza se por apenas termos um só produtor a abastecer todo o mercado neste caso irá estabelecer-se uma regulação eficaz para evitar que abuse do seu poder de mercado, impondo preços demasiado altos. Exemplos mercado concorrencial são os cafés e a restauração. Exemplos de monopólio a distribuição de água canalizada é monopólio do SMAS, não constituindo a água engarrafada uma alternativa comparável, nem havendo a possibilidade de se instalar no mercado outro fornecedor. Portanto as suas tarifas são reguladas, para evitar que nos imponha preços excessivos.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

História e tipos de moeda

1. Distingue troca directa de troca indirecta.
Troca direta é quando trocamos um bem por outro bem e a troca indireta é quando trocamos um bem por dinheiro e o dinheiro por um bem
2. Apresenta exemplos de bens que tenham sido utilizados como moeda.
Peles, animais, conchas, sal, ouro
3. Define moeda-mercadoria.
Diz se moeda mercadoria á mercadoria que é utilizada como moeda 
4. “Para que um bem apenas sirva como moeda, esse bem deve ser inútil”. Justifica.
Não é sustétivel usar ouro ou outro material de valor como material das moedas pois assim podiam-se derreter as moedas e obtia-se lucro ao derreter as moedas logo as moedas desapareciam. Então o material para o fabrico de moedas tem de ser um material sem valor para que as moedas não sejam derretidas e usadas como fonte de rendimento.
5. Indica as características que um bem deve apresentar para funcionar adequadamente como moeda.
As características são a divisibilidade, durabilidade, que seja aceite por grande maioria destas pessoas ( aceitabilidade geral ), reduzida procura não monetrária, prática de movimentar e dificilmente falsificável.
6. Define moeda de papel (primeiras notas).
Inicialmente quando as pessoas depositavam o dinheiro no cambista recebiam recibos em papel com o valor da quantidade que foi depositada e quando quisessem levantar mostravam o recibo e recebiam a quantidade de metais preciosos que consta no recibo. Em suma a moeda papel é conversivel por metais preciosos 
7. Explicita o conceito de moeda fiduciária (da expressão latina fiduciariu, que depende de confiança).
Moeda que circula com base na confiança hoje aceitamos euros porque sabemos que os  outros também aceitam 
8. Explicita o conceito de papel-moeda.
Nota que é inconvertivel ou seja não é conversivel por metais preciosos. Esta é a moeda atual.
9. Define moeda escritural.
Temos que escrever o valor do dinheiro levantado no cheque, o dinheiro escrito no cheque tem que enquadrar o dinheiro que se encontra na nossa conta bancária
10. Define moeda de plástico.
A moeda de plástico substituiu as moedas trocos e a moeda escritural, a moeda está sob forma de cartões de plástico a sua utilização actualmente é cada vez mais comum
11. Define moeda electrónica.
Diz se moeda eletrónica quando a conta bancária é movimentada diretamente quer para debitar o saldo ou pagar contas como por exemplo da água e da luz por transferência bancária 
12. Relaciona a evolução tecnológica com o processo de desmaterialização da moeda.
Com a evolução da tecnológica no caso da moeda eletrónica que limita se a registar em contas bancárias não sendo necessário qualquer bem material para que funcione. O processo de desmaterialização da moeda começou com a sua invenção mas só foi possivel atingir ete nível graças ao recente desenvolvimento das tecnologias da informação.
13. Distingue diversos tipos de cartões bancários: débito, crédito e pré-pagos. 
existem 3 tipos de moeda de plástico o cartão de débito que permite movimentar dinheiro da sua conta até ao limite do seu saldo da conta bancária o banconão corre nenhum risco em dar cartões a alguém porque o individuo usa o seu próprio dinheir, o cartão de crédito no qual o banco da um plafom , podemos usar apenas o dinheiro dentro do plafom no final do mês o dinheiro que não pago do cartão de crédito passa a divida com juros este cartão apenas é atribuido a pessoas de confiança, e por ultimo o cartão prépago que é aquele em que depositamos dinheiro e podemos utilizar apenas a importância previamente carregada.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Conceito e funções da moeda

1. Apresenta um conceito de moeda.
A moeda é uma unidade de troca que estabelece um valor comum entre os bens e que é geralmente aceite por toda gente. É um meio de pagamento.

2. Explicita as funções da moeda apresentando exemplos.
  A moeda pode ser utilizada como um meio de troca, ou seja , podemos trocar a moeda por um bem desejado, como por exemplo nós queremos comprar um automovél, então temos que trocar a moeda pelo automovel
  Sabendo o preço de uma unidade podemos saber o preço de n unidades (Unidade de conta)
  Podemos optar por guardar a moeda para usar futuramente (reserva de valor)





terça-feira, 28 de novembro de 2017

Respostas das pergunta dos exames


População ativa = População total - população inativa = 8000-3000 = 5000 milhares
População desempregada = (5000 x 13)/100 = 650 milhares

Resposta: (C)


Resposta: Opção (C) Porque quando produz se mais o custo unitário aumenta


A lei que traduz a situação evidenciada no gráfico é a Lei dos rendimentos decrescentes, pois até ao trabalhador 7, o acréscimo da produção aumenta com o número de trabalhadores. Após o 7º trabalhador o acréscimo na produção diminui conforme os trabalhadores aumentam.

 
Taxa de atividade = população ativa/população total x 100 = 5500/10200 x 100 = 53,9%

População empregada = 5500-5200=300

Taxa de desemprego = população desempregada/população ativa x 100 = 300/5500 x 100 = 5,5%
Opção (D)
´

R: Opção (B) Quanto mais a empresa produzir menor será o custo unitário.

R: Opção (D)Janeiro  CFM  3,33      CVM 12       CTM 15,33
                     Fevereiro         1,67                  9                  10,67


47,9% - 5103,5 (população inativa)
52,1% -    x

x = 52,1x 5103,5/ 47,9 = 5551,0
5551 + 5103,5 = 10,654,5 ( milhares de individuos )


Opção (C) 
Pop ativa = 8000(Pop.total - Pop.inat) 
Setor primario+secundario+terciario=100%
100-(Setor primario+secundario)= % setor terciario
100-80=20%
setor tericiario = 20% x 8000/100= 1600
                 


Opção (A)

                               
                     Trabalha        Produtividade Média         Produtividade total                Produti. Marginal
20 de maio        5                                                242                           1210
dia seguinte      6                                                                                  1830                               620

Opção (D) verificasse que a partir do sexto trabalhador a produtividade acrescentada pelo trabalhador e menor que a dos anteriores por isso diz se que os rendimentos são decrescentes
               Trabalhadores    Produtiv.marginal       Produção total        Produtividade Média
                       1                    100                           100                             100
                       2                    200                           300                             150
                       3                    300                           600                             200
                       4                    400                           1000                           250
                       5                    600                           1600                           320
                       6                    700                           2300                           383.3
                       7                    600                           2900                           414.3
                       8                    400                           3300                           412.5
                       9                    300                           3600                           400
                       10                  150                           3750                           375
                     

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Combinação dos factores de produção

1. Completa a tabela e interpreta a linha correspondente a Q=4.

A linha correspondente a Q=4 simboliza a quantidade ideal a ser produzida pois é a que tem o custo unitário mais baixo, ou seja de Q=1 a Q=4 é apresentada uma economia de escala ou pois produzimos mais e o custo unitário é mais baixo e o custo marginal é menor que o custo unitário, e de Q=4 e Q=8 apresenta-se uma deseconomia de escala pois a partir de Q=4 ao se aumentar a produção aumenta o custo e o custo marginal é maior que o custo unitário. 

2. Representa graficamente CT=CF+CV. Justifica a configuração das curvas.
Os custos fixo são os custos que não variam independentemente da produção ser maior menor ou até estar parada. O custo variável varia com a quantidade trabalhadores e capital e é sempre menor que o custo total pois o custo total é a soma dos custos variável e fixo e é sempre o custo maior .
3. Representa graficamente a relação entre o Custo Marginal e os Custos Médios (CFM, CVM e CTM). Justifica a configuração das curvas. 

Os custos marginal cruza-se com o custo fixo médio no seu ponto mais baixo. A quantidade ideal a ser produzida é quando o custo marginal se cruza com o custo total médio.
4. Indica a combinação óptima de factores correspondente aos salários de 5 ao custo da capital de 5,5 na tabela que ficou incompleta na segunda imagem deste post

A combinação perfeita é a C porque é a que tem menor custo.
5. Relaciona as economias de escala com a concentração que se verifica em muitos ramos da actividade económica: banca, automóvel, distribuição de combustíveis, distribuição a retalho, etc.
As economias que se verificam em muitos ramos de atividade são as economias fiscais que produzindo mais o custo monetário baixa como por exemplo temos menos bancos e os bancos têm  mais clientes por isso o custo por cada cliente e mais reduzido. Numa empresa de automóveis se produzir se muitos veiculos o preço por cada veiculo será mais reduzido.
6. “Se as escolas forem muito grandes, as pessoas deixam de conhecer-se e o anonimato contribui para o aumento da indisciplina”.
6.1. Comenta utilizando o conceito apropriado. deseconomias porque ter mais alunos tem um custo mais elevado
6.2. Refere outros factores, como (a) a lotação das salas, (b) a dificuldade em conseguir melhores horários, (c) o distanciamento da direcção relativamente a alunos, professores e pais.os custos relaçionados com a organização da empresa e as tecnologias adaptadas pelas empresas
6.3. Aponta alguns factores que possam justificar as deseconomias de escala nas empresas. 
Partindo de uma leitura de Alfred Marshallapresenta três argumentos que justifiquem a concentração empresarial partindo das economias de escala.
Uma grande empresa compra em grandes quantidades e, portanto, barato; paga taxas de carga reduzidas, poupando nos transportes;Vende frequentemente em grandes quantidades, poupando trabalho.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

SUGESTÕES DE LEITURA: Economias de escala e tendência para a fusão, Larga escala e rentabilização de maquinaria, Larga escala e economia de competências, Larga escala e atracção de trabalhadores excepcionais, Larga escala e homens de confiança.