sexta-feira, 20 de abril de 2018

Curva de Lorenz e Coeficiente de Gini

1. Observando a imagem do extinto DPP aquirefere como evoluiu a repartição do rendimento em Portugal no período 1990-95.
Em Portugal entre 1990 e 1995, segundo a imagem, a repartição do rendimento ficou mais desigual, pois a curva de 1990 está mais perto da linha de 45º do que a curva de 1995. A linha de 45º equivale a uma repartição perfeita do rendimento.

2. Considerando a distribuição de rendimentos nos países C e D:
Ficheiro de ajuda
a) Calcula o rácio S80/S20;

b) Constrói o Gráfico com as Curvas de Lorenz;



c) Calcula os Coeficientes de Gini.

3. Interpreta os valores obtidos nas alíneas do ponto anterior.
A riqueza no país C dos 20% mais ricos é 8,38 vezes maior que a riqueza dos 20% mais pobres.
A riqueza no país D dos 20% mais ricos é 58,58 vezes maior que a riqueza dos 20% mais pobres.
Tanto com estes valores como no gráfico podemos observar que o país C tem uma melhor repartição dos rendimentos, porque no gráfico encontra-se mais próximo da curva de igualdade absoluta.


4. Constrói uma tabela com os Coeficientes de Gini para 10 países da UE, considerando os dados de 2005-2015. Comenta a posição de Portugal relativamente aos restantes países que seleccionaste.
Portugal é o 3º país com maior coeficiente de Gini, portanto significa que é o 3º país com pior distribuição dos rendimentos nesta tabela.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Repartição pessoal dos rendimentos: Leque salarial e Rendimento per capita

1. Aponte algumas razões que podem conduzir a uma repartição do rendimento injusta, mesmo num mercado eficiente.
Mesmo num mercado eficiente a maior parte da população só tem uma fonte de rendimento, o salário.

2. Distinga o rendimento pessoal do rendimento pessoal disponível.
Rendimento pessoal é a soma dos rendimentos primários e secundários
Rendimento pessoal disponível é o rendimento pessoal - impostos diretos - contribuições sociais

3. Considerando uma nova distribuição do rendimento, calcula nos 3 países:


a) A percentagem do Rendimento Nacional que cabe ao trabalho (Repartição Funcional do Rendimento);

b) Quantas vezes o salário máximo é maior que o salário mínimo (Leque salarial);

c) Em que país o rendimento se encontra melhor distribuído? (considerando todos os rendimentos, ie., a Repartição Pessoal do Rendimento);

d) O Rendimento per capita.


e) Comente os resultados obtidos nas alíneas acima.
  No gráfico A podemos observar que o país com melhor distribuição de rendimentos é o país 1 e o com pior distribuição de rendimento é o país 3, o país 2 encontra-se numa situação intermédia mas mesmo assim o rendimento é maior no trabalho
  No gráfico B podemos observar que no país com melhor distribuição do rendimento é onde os salários mínimo e máximo são os mais elevados (país 1) e o contrário no país com pior distribuição de rendimento (país 3). No País 1 o leque salarial é de 1/1,125 ou seja um salário máximo corresponde a 1,125 salários mínimos, no país 2 o leque salarial é de 1/1,48485, ou seja um salário máximo corresponde a 1,48485 salários mínimos, no país 3 o leque salarial é de 1/1,6 , ou seja um salário máximo corresponde a 1,6 salários mínimos.

4. Refira três limitações do Rendimento per capita.
Não indica como é a distribuição do rendimento, economia não registada e ignora as diferenças de preços

5. O EuroStat, calculando o Rendimento pessoal disponível per capita real ajustado, já pretende responder a uma das limitações do Rendimento per capita. Qual? Justifique.
Independentemente da distribuição que o país faz do rendimento o rendimento per capita será igual (ou seja, oculta a distribuição do rendimento) .

6. Publica um gráfico com os valores do Rendimento pessoal disponível per capita real ajustado, para 10 países contrastantes (5 dos + ricos e 5 dos + pobres). Comenta o gráfico.

Os países mais ricos em 2016 são: 1º Luxemburgo, 2º Suiça, 3º Alemanha, 4º Noruega, 5º Áustria
Os 5 países mais pobres são: 1º Bulgária, 2º Letônia, 3º Grécia, 4º Estónia , 5º Polónia

A Alemanha e a Noruega passaram a Áustria, em 1º esteve sempre Luxemburgo

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Repartição funcional dos rendimentos parte 2

5. Organizaram-se os países da União Europeia em dois grupos contrastantes em termos dos ratings da dívida soberana:
  • Grupo Resgatados
    Portugal (ainda lixo para a Moody's)
    Itália (ainda lixo para a Moody's)
    Grécia (lixo para qualquer agência de rating)
    Espanha (recentemente era lixo)
  • Grupo AAA ou quase
    Alemanha
    Suécia (Sweden)
    França
    Reino Unido
a) Indica a percentagem do PIB que cabe ao trabalho em cada país, utilizando os valores que se observam no Gráfico interactivo em 2016. 
Portugal - 44,4%
Espanha - 47.3%
Itália - 39.8%
Grécia - 33.6%
Alemanha - 51.1%
Suécia - 47%
França - 52.3%
Reino Unido - 49.5%

b) Relaciona a repartição funcional do rendimento com o desenvolvimento dos países.

Num país desenvolvido a repartição funcional do rendimento é maior no trabalho do que no capital, assim os trabalhadores têm maiores salários e têm acesso a bens melhores. Nos países menos desenvolvidos a repartição funcional do rendimento é maior no capital do que no trabalho.

6. Constrói com os valores disponíveis no (Quadro A.1.3.4.1 - PIB a preços de mercado na ótica do rendimento (preços correntes; anual), INE), um gráfico que mostre a evolução da percentagem das remunerações relativamente ao PIB, ie., a repartição funcional do rendimento actualizando este.

a) Comenta a tendência que observas na repartição funcional do rendimento no período em análise.
O trabalho em 1995 era de 47%, agora em 2017 é de 44%, a repartição dos rendimentos está cada vez mais desigual, ou seja o rendimento é maior no capital do que no trabalho e a tendência de 1995 até 2015 tem sido a redução do rendimento no trabalho e a tendência a partir de 2017 é de continuar a aumentar como começou a acontecer em 2015. Em 2008 e 2009 a tendência foi contrariada devido a uma crise que fez com que o PIB cai-se acentuadamente ( se o PIB diminuir a fração tem um peso maior ), logo o valor da fração foi maior, mas a partir de 2010 a tendência voltou a ser cumprida

b) Verifica a possibilidade de em 2009, a subida da percentagem do PIB afecta ao trabalho derivar da queda do PIB.
A queda do PIB influencia a subida da % pois a % calcula-se pelo Rendimento/PIB, logo se o PIB diminuir o valor tem um peso maior.
  Em 2008 o valor era de 178.872.582 e em 2009 é de 175.448.190

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Repartição funcional dos rendimentos

1. Explicita o conceito de repartição primária dos rendimentos.
A repartição primária dos rendimentos é o que se paga pelos factores produtivos, ignorando a actividade do Estado. Ao capital cabe os lucros juros e rendas, ao trabalho cabe os salários. Os trabalhadores recebem os salários, os proprietários as rendas, os empresários os lucros e os capitalistas os juros.

2. Apresenta os cálculos efectuados para obter o salário mínimo geral mensalizado em 2018.
Para obter o salário mínimo mensalizado temos em conta os 580€ em 2018 que são pagos todos os 12 meses mais o subsidio de férias e o subsidio de natal, que dá 14 meses.

3. Refere o rendimento primário:
a) Mais comum;
Salário
b) Que cabe aos proprietários;
Rendas
c) Associado aos empréstimos;
Lucros
d) Mais incerto.
Lucro

4. Calcula o juro resultante de uma aplicação de 500€ durante 5 anos, à taxa de juro (TANB) de 4%, pagando IRS à taxa de 28%.
NOTA: Apresenta os respectivos cálculos e a imagem obtida no Portal do Cliente Bancário

500*0.04*5=100
100*28%= 28

100 - 28 = 72 -» juro liquido
500 + 72 = 572
4%*(1-28%)  0,04*(1-0,28)     0,04*0,72=0,0288=2,880%


terça-feira, 10 de abril de 2018

A actividade produtiva e a formação dos rendimentos

1. Refere duas medidas políticas propostas pelo RDH2015 tendo em vista a redução das desigualdades de oportunidades
  • Fomento da participação nos lucros e da participação no capital por parte dos trabalhadores. A partilha dos lucros com os trabalhadores e a possibilidade de estes adquirirem ações nas empresas ajudaria a diminuir as desigualdades de rendimento.76 
  • Adoção e aplicação de políticas distributivas adequadas. Entre essas medidas poderiam incluir-se impostos progressivos sobre os rendimentos e a riqueza, regulamentos para reduzir a extração de rendas, uma regulamentação mais estrita (em especial das finanças) e despesas públicas direcionadas para as populações pobres. 
2. Partindo da definição do rácio S80/S20 explica qual seria o seu valor numa sociedade igualitária.
O seu valor seria 1, pois para calcular o racio S80/S20 divide-se o rendimento dos 20% mais ricos pelo rendimento dos 20% dos mais pobres o que dá 1.
3. Observando o rácio S80/S20 nos países da União Europeia, relaciona a equidade na repartição do rendimento com desenvolvimento.
Quanto meror o rácio S80/S20 num país significa que o desenvolvimento é maior pois a repartição dos rendimentos é mais equilibrada , o mercado é mais dinâmico, logo as empresas podem vender mais.

4. Distingue rendimento de riqueza.
O rendimento é um fluxo porque mede-se ao longo do tempo enquanto que a riqueza é um stock.

5. Distingue riqueza de capital. 
A riqueza é um stock e o capital é a riqueza aplicada num processo produtivo para gerar maior riqueza.

6. Distingue rendimento de transferência. 
O rendimento é o pagamento do trabalho, ou seja, recebemos porque merecemos pelo trabalho feito.
A transferência é dinheiro dado por dar, ou seja, não é pagamento do trabalho mas sim um subsidio.

7. Relaciona valor acrescentado com rendimento. 
O valor acrescentado é o valor dos outputs menos o valor dos inputs, e que é usado para pagar os fatores produtivos que participaram na produção. O rendimento do empresário é o valor restante do valor acrescentado após o pagamento dos fatores produtivos.

8. Explica como necessariamente, do desenvolvimento do processo produtivo/actividade produtiva resulta a repartição primária dos rendimentos.
A desigualdade na repartição dos rendimentos e desfavorável para as empresas porque as empresas produzem e precisam de  compradores com a desigualdade na repartição dos rendimentos nem todos conseguirão ter acesso a esse produto.

9. Além das disparidades salariais, refere outro factor que contribui para uma repartição do rendimento injusta.
As qualificações profissionais

10. Explica as disparidades salariais em resultado dos seguintes factores:
a) Qualificações profissionais;
Quanto maior for a qualificação do individuo, mais rendimento ele terá, pois poderá frequentar cargos melhores;
b) Anos de experiência;
As pessoas com mais experiência, como já fazem aquilo à mais anos, sabem como o fazer melhor e mais rápido, logo o individuo pode exigir mais.
c) Diferencial de compensação (poder de atracção das profissões);
Quando uma profissão é menos atrativa, como por exemplo limpar janelas dos hotéis, o trabalhador exige mais pois esse trabalho é mais arriscado que o de um porteiro
d) Segmentação de mercados em grupos não concorrentes. 
Em cada grupo o trabalho fica mais escasso porque cada individuo só pode frequentar um carreira por exemplo um professor de PT não pode fazer concorrência com um professor de Economia, como em cada grupo o trabalho é escasso os salários são maiores

terça-feira, 13 de março de 2018

Preços e Mercados – Exames 2012-14 e 2017




Acima dos 3, há excesso de oferta, por isso não conseguem vender a quantidade desejada e há descontentamento do vendedor 
Abaixo dos 3, há excesso de procura, por isso os consumidores não conseguem adquirir a quantidade desejada e há descontentamento do consumidor


O monopolista é o mercado


Há excesso de oferta - os produtores baixam os preços para poder vender os produtos em stock

O processo foi a redução do preço e o aumento da procura e uma das razões pode ser o progresso tecnológico, porque com o avanço da tecnologia podemos produzir em maior quantidade e aumentar facilmente a oferta.